Pular para o conteúdo principal

A primeira faculdade de Campo Grande

Agostinho dos Santos, o pioneiro do ensino superior


O primeiro curso superior do Estado foi a faculdade de odontologia e farmácia de Campo Grande. Iniciou os cursos de odontologia e farmácia em 1929 e foi seu fundador e primeiro diretor o dentista Agostinho dos Santos. O corpo docente dos cursos foi composto por médicos e dentistas de renome no Estado: Nicolau Fragelli, Newton Cavassa, Vespasiano Barbosa Martins, Fernando Correa da Costa, Ermírio Coutuinho, Francisco Ferreira de Souza, Artur Vasconcelos, José Verlangiere, Franklin de Castro, Assis Bastos, Lúcio Valadares, Valeriano Maia, Heráclito Braga, Vital de Oliveira, Ferdinando Silveira, Timóteo Rostey e Tertuliano Meireles.¹ (JC 24-8-1934)
 Ao final do primeiro ano de funcionamento estavam matriculados os alunos Balbino Soares da Costa, Wanda Lorenta da Rosa, Carlos Elmano de Oliveira, Sylvia Lorenta da Rosa, Ilídio Gonçalves da Costa e Keite Miyaki, aprovados para o segundo ano.2  (JC, 20-12-1929).

Em 1932 a escola teve suas atividades interrompidas pela revolução constitucionalista e suas instalações depredadas pelos vencedores do conflito. O fundador, Agostinho dos Santos mudou-se para o Rio de Janeiro e transferiu a direção da sociedade ao médico Tertuliano Meireles, que reabriu a escola, recontratando os professores e iniciando uma verdadeira batalha política para conseguir o reconhecimento dos cursos.

Em 1° de abril de 1934, o Jornal do Comércio estampou eu sua primeira página sob o título “Foi oficializada a nossa faculdade de Odontologia e Farmácia”, a seguinte notícia:

Está finalmente realizada a antiga e justa aspiração da classe de estudantes sulinos: a Faculdade de Odontologia e Farmácia foi oficializada pelo benemérito e honrado governo do Estado.

É verdade que os gratuitos inimigos dessa faculdade ainda podem protestar...
Os estudantes que lhes agradeçam!

Eis a notícia oficial recebida pelo diretor daquela faculdade:

“Cuiabá 28. Dr. Tertuliano Meireles – C. Grande.
Tenho especial prazer comunicar-lhe que por decreto n. 352, de 27 do corrente, foi encampada Faculdade Odontologia e Farmácia, dessa cidade, consoante desejos do prezado amigo e mais acionistas. Saudações cordiais.

Laurentino Chaves”.

Quanto ao futuro do empreendimento sabe-se que houve a formatura de uma turma do curso de farmácia em 1933, da qual foi paraninfo o coronel Newton Cavalcanti, comandante da 9a. Região Militar e entre os formandos o advogado Jaime Ferreira de Vasconcelos, diretor de Jornal do Comércio.³ 

Paulo Coelho Machado dá uma pista em seu livro A Rua Pincipal, que conta a história de rua 14 de Julho, sobre o destino da iniciativa pioneira de Agostinho dos Santos:

"Muitos foram formados nessa escola. Numa época de profissionais escassos, os moços de Campo Grande puderam adquirir uma profissão útil e prestar bons serviços na cidade e sobretudo na campanha, como tiradentes ambulantes. Alguns revalidaram os diplomas em São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. Outros permaneceram como dentistas práticos, pois a escola não logrou reconhecimento pelo Ministério da Educação".

A última sede da faculdade foi na esquina das ruas Cândido Mariano e 13 de Maio.

FONTE: ¹Jornal do Comércio (Campo Grande), 24-04-1934. ²Idem, 12-03-1933, ³Idem, 20-09-1933. Paulo Coelho Machado, Pelas ruas de Campo Grande, 2a. edição, Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2008, página 141.

FOTO: acervo Paulo Coelho Machado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ex-prefeito de Campo Grande morre em São Paulo

Aos 90 anos, falece em São Paulo, em 20 de agosto de 1975, Arlindo de Andrade Gomes, o primeiro juiz de Direito de Campo Grande. Pernambucano, mudou para essa cidade em 1911, para instalar a comarca local. Renunciou 50 dias depois de assumir e dedicou-se à advocacia, ao jornalismo e à política. Fundou em 1913, o primeiro jornal impresso de Campo Grande, “O Estado de Mato Grosso” e chegou prefeitura municipal, exercendo o mandato entre 1921 e 1923. Na revolução do 32 foi membro do governo de Vespasiano Martins, instalado em Campo Grande, como secretário-geral.

Como prefeito de Campo Grande dedicou-se à arborização da cidade, com a plantação de ficus nas avenidas Mato Grosso e Afonso Pena e dos históricos pés de jequitibás na atual praça dr. Ari Coelho. Foi autor do código de posturas do município, conhecido como código do doutor Arlindo e, no seu mandato foi inaugurada a hidrelétrica do Ceroula que, por muitos anos, atendeu a cidade. 



FONTE: Paulo Coelho Machado, Arlindo de Andrade o pri…

Aterrado o rego d'água que abastecia Campo Grande

Por ordem do prefeito Antonio Norberto de Almeida (Totinho) é interrompido em 12 de janeiro de 1912, o serviço rudimentar de distribuição de água da vila de Campo Grande, através de um rego d'água. O sistema, muito utilizado na zona rural, e implantado na cidade no início de sua povoação, captava água de uma pequena queda cachoeira no riacho Prosa, atualmente localizada acima da rua Ceará entre as avenidas Afonso Pena e Ricardo Brandão. Por gravidade a água era levada, seguindo o traçado na atual rua 15 de novembro, paralelo ao Prosa, até desaguar no Segredo, atendendo chácaras e o perímetro urbano, no seu trajeto.
O serviço, único de extensão coletiva, chegou a ser regulamentado na reforma do código de posturas, em 1906, através de dois artigos:
Art. 31 - Todos que quiserem servir da água canalizada pelo rego existente serão obrigados a fazer pequenos regos até suas casas, tendo o cuidado de fazer bicas e tapar por cima quando atravessarem ruas e praças.
Art. 32 - Ninguém poderá pro…

Morre frei Gregório de Protásio Alves

Nascido David Bonato em 1915, na cidade gaúcha cujo nome adotaria no sacerdócio, morre em Campo Grande, em 28 de outubro de 2008, vítima de complicações cardíacas, frei Gregório. Aos 12 anos ingressa no seminário de Veranópolis. Em 1934, aos 19 anos, professa os votos da Ordem Franciscana, escolhendo o seu novo nome. Em 28 de março de 1937 recebe a ordenação sacerdotal no Convento de Marau, em Garibaldi (RS). 
Em 1956, após passar por diversas paróquias no Rio Grande do Sul e interior de São Paulo, muda-se para o Sul de Mato Grosso. No ano seguinte, assume a paróquia de Nossa Senhora Aparecida em Maracaju, onde permaneceu por três anos, quando foi designado para a função de Superior da Ordem dos Capuchinhos em Campo Grande. 
A 13 de maio de 1962, finca o cruzeiro e lança a pedra fundamental da igreja de Fátima, no Monte Líbano, que viria a ser sua obra mais relevante. O templo da igreja matriz de Nossa Senhora de Fátima foi solenemente inaugurado a 13 de maio de 1974.
Músico, poeta e…