Pular para o conteúdo principal

A primeira faculdade de Campo Grande

Agostinho dos Santos, o pioneiro do ensino superior


O primeiro curso superior do Estado foi a faculdade de odontologia e farmácia de Campo Grande. Iniciou os cursos de odontologia e farmácia em 1929 e foi seu fundador e primeiro diretor o dentista Agostinho dos Santos. O corpo docente dos cursos foi composto por médicos e dentistas de renome no Estado: Nicolau Fragelli, Newton Cavassa, Vespasiano Barbosa Martins, Fernando Correa da Costa, Ermírio Coutuinho, Francisco Ferreira de Souza, Artur Vasconcelos, José Verlangiere, Franklin de Castro, Assis Bastos, Lúcio Valadares, Valeriano Maia, Heráclito Braga, Vital de Oliveira, Ferdinando Silveira, Timóteo Rostey e Tertuliano Meireles.¹ (JC 24-8-1934)
 Ao final do primeiro ano de funcionamento estavam matriculados os alunos Balbino Soares da Costa, Wanda Lorenta da Rosa, Carlos Elmano de Oliveira, Sylvia Lorenta da Rosa, Ilídio Gonçalves da Costa e Keite Miyaki, aprovados para o segundo ano.2  (JC, 20-12-1929).

Em 1932 a escola teve suas atividades interrompidas pela revolução constitucionalista e suas instalações depredadas pelos vencedores do conflito. O fundador, Agostinho dos Santos mudou-se para o Rio de Janeiro e transferiu a direção da sociedade ao médico Tertuliano Meireles, que reabriu a escola, recontratando os professores e iniciando uma verdadeira batalha política para conseguir o reconhecimento dos cursos.

Em 1° de abril de 1934, o Jornal do Comércio estampou eu sua primeira página sob o título “Foi oficializada a nossa faculdade de Odontologia e Farmácia”, a seguinte notícia:

Está finalmente realizada a antiga e justa aspiração da classe de estudantes sulinos: a Faculdade de Odontologia e Farmácia foi oficializada pelo benemérito e honrado governo do Estado.

É verdade que os gratuitos inimigos dessa faculdade ainda podem protestar...
Os estudantes que lhes agradeçam!

Eis a notícia oficial recebida pelo diretor daquela faculdade:

“Cuiabá 28. Dr. Tertuliano Meireles – C. Grande.
Tenho especial prazer comunicar-lhe que por decreto n. 352, de 27 do corrente, foi encampada Faculdade Odontologia e Farmácia, dessa cidade, consoante desejos do prezado amigo e mais acionistas. Saudações cordiais.

Laurentino Chaves”.

Quanto ao futuro do empreendimento sabe-se que houve a formatura de uma turma do curso de farmácia em 1933, da qual foi paraninfo o coronel Newton Cavalcanti, comandante da 9a. Região Militar e entre os formandos o advogado Jaime Ferreira de Vasconcelos, diretor de Jornal do Comércio.³ 

Paulo Coelho Machado dá uma pista em seu livro A Rua Pincipal, que conta a história de rua 14 de Julho, sobre o destino da iniciativa pioneira de Agostinho dos Santos:

"Muitos foram formados nessa escola. Numa época de profissionais escassos, os moços de Campo Grande puderam adquirir uma profissão útil e prestar bons serviços na cidade e sobretudo na campanha, como tiradentes ambulantes. Alguns revalidaram os diplomas em São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. Outros permaneceram como dentistas práticos, pois a escola não logrou reconhecimento pelo Ministério da Educação".

A última sede da faculdade foi na esquina das ruas Cândido Mariano e 13 de Maio.

FONTE: ¹Jornal do Comércio (Campo Grande), 24-04-1934. ²Idem, 12-03-1933, ³Idem, 20-09-1933. Paulo Coelho Machado, Pelas ruas de Campo Grande, 2a. edição, Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2008, página 141.

FOTO: acervo Paulo Coelho Machado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O dramático 13 de agosto na rua 13 em Campo Grande

Abala o povoado de Campo Grande, trágico acontecimento, coincidentemente marcado pelo número 13. 13 de agosto de 1913, na rua 13 de Maio (esquina com a Barão do Rio Branco). O episódio que apareceu com destaque no primeiro jornal impresso da cidade, O Estado de Mato Grosso, do advogado Arlindo de Andrade Gomes, é sintetizado por Rosário Congro, intendente geral do município:

A noite de 13 de agosto de 1913 ficou tristemente gravada nos anais da cidade, com a verificação de um gravíssimo conflito provocado pela própria polícia, quando se realizava uma função no circo João Gomes e do qual saíram mortos o importante e acatado negociante da praça José Alves de Mendonça e o vereador municipal Germano Pereira da Silva e duas praças do destacamento policial, além de muitos feridos, entre eles Gil de Vasconcelos, Fernando Pedroso do Vale, Adelino Pedroso, Benedito de Oliveira, João de Souza, Carlos Anconi e três praças.


No dia seguinte o povo, armado, sob uma indignação geral, ouvindo-se imprec…

O assassinato do dr. Ari, prefeito de Campo Grande

Aos 41 anos é morto a bala, em 21 de novembro de 1952, o prefeito de Campo Grande, Ari Coelho de Oliveira (PTB). O assassino foi  Acir Pereira Limaque o acometeu em uma emboscada no prédio da CER-3 em Cuiabá, onde o prefeito fora tratar de assuntos de interesses do município. Nascido em Bauzinho, município de Paranaíba, fez seus estudos ginasiais no colégio Grambery, em Juiz de Fora, Minas Gerais. Formou-se em Medicina em 1933, em Belo Horizonte, pela Faculdade de Medicina da Universidade de Minas Gerais. Chegou a Campo Grande em 1934, onde iniciou sua carreira de médico, fundador e proprietário da Casa de Saúde Santa Maria, denominação dada em homenagem à sua esposa dona Maria Arantes. 

“Eleito prefeito de Campo Grande no pleito eleitoral de 3 de outubro de 1950, assumiu o executivo municipal em 31 de janeiro de 1951, tendo dentro de seu programa de Honestidade, Responsabilidade e Trabalho, imprimido ao município, no curto período de sua administração, um desenvolvimento magnífico, el…

Inaugurada a primeira estrada entre Campo Grande e São Paulo

É inaugurada em 8 de outubro de 1906 a estrada entre Campo Grande e Porto 15 de Novembro, atualmente trechos da BR-163 (Campo Grande - Nova Alvorada do Sul) e BR-262 (Nova Alvorada do Sul - Rio Paraná).

Foi uma verdadeira odisseia a construção dessa estrada boiadeira. Seu incorporador foi Manoel da Costa Lima, o Manoel Cecílio, que a abriu para tirar o Estado do isolamento e transportar o vapor Carmelita, lancha a motor, adquirida no Paraguai, com a qual iniciaria o serviço de travessia do rio Paraná. De Concepcion a Campo Grande, “navegara rio Paraguai acima, penetrando no rio Miranda e depois no rio Aquidauana, ancorando na fazenda Sto. Antonio na barra do Taquarussu. Com 200 bois de carro emprestados e 20 peões escolhidos a dedo, praticamente desmontaram a lancha e distribuídas suas partes nos referidos carros, encetaram grande epopeia de leva-la até às barrancas do rio Paraná, na divisa com São Paulo.

Sem dispor de qualquer das ferramentas e máquinas que hoje conhecemos, mas tão som…