Pular para o conteúdo principal

O primeiro jornal de Campo Grande




Sob a direção do advogado e jornalista Arlindo de Andrade Gomes, que foi o primeiro juiz de Direito de Campo Grande, circulou em 22 de junho de 1913, o primeiro jornal da vila. “Impresso em papel couchê (de primeira) importado de Assunção, no Paraguai, com quatro páginas, sendo a primeira impressa com tinta dourada, ‘O Estado’ foi r ecebido com entusiasmo pela população. Os seus comentários, notícias e anúncios foram ‘devorados’ pelos poucos leitores de então”, segundo J. Barbosa Rodrigues.

No seu editorial de apresentação o compromisso com a imparcialidade que procurou manter durante o curto tempo de sua existência:


O Estado é um jornal que não tem política e que não traçou um programa para cumprí-lo, à risca. Sejamos francos.

Não defenderá este ou aquele partido. Não há política, não há governo bom ou mau, inteiramente. Na administração pública há atos que merecem aplausos e outros que exigem reprovação dos homens de senso. Quase sempre as oposições, na sede de conquistar o poder, tornam-se agressivas, não vendo a virtude senão de seu lado. O jornal político é um jornal injusto. 
"Não temos um programa definido...muitos acham estranhável. Todo jornal tem um programa. Mas um programa é uma mentira. Até hoje nenhum jornal cumpriu o programa que se traçou.

Não somos federalistas nem unitaristas, presidencialistas nem parlamentaristas. Não adotamos esta ou aquela teoria econômica ou financeira para falarmos em nome dela. E seremos tudo.O jornal deve ser uma grande bandeira capaz de proteger todas as boias ideias.
"Emparedar-se é que não.

Depois 'O Estado' surgiu por uma necessidade do nosso meio,interessando-se pelo progresso geral de Mato Grosso e especialmente do Sul. Na sua agricultura, no seu comércio, na sua admirável pecuária, nos seus meios de comunicação, nos seus formidáveis recursos naturais está o nosso campo de ação. Trabalhando pelo desenvolvimento de coisas tão naturais, não parecerá a muitos, boa missão dum jornal nos tempos correntes. Para nós é tudo. Se nos exigirem um programa será este.

Falta-lhe a retumbância e as cores dum longo programa político, sedutoramente escrito em linguagem de combate. Mas é uma ideia a que não faltam energia e patriotismo.



FONTE: J. Barbosa Rodrigues, O primeiro jornal de Campo Grande, Empresa Lítero-Técnica, Campo Grande, 1989. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O assassinato do dr. Ari, prefeito de Campo Grande

Aos 41 anos é morto a bala, em 21 de novembro de 1952, o prefeito de Campo Grande, Ari Coelho de Oliveira (PTB). O assassino foi  Acir Pereira Limaque o acometeu em uma emboscada no prédio da CER-3 em Cuiabá, onde o prefeito fora tratar de assuntos de interesses do município. Nascido em Bauzinho, município de Paranaíba, fez seus estudos ginasiais no colégio Grambery, em Juiz de Fora, Minas Gerais. Formou-se em Medicina em 1933, em Belo Horizonte, pela Faculdade de Medicina da Universidade de Minas Gerais. Chegou a Campo Grande em 1934, onde iniciou sua carreira de médico, fundador e proprietário da Casa de Saúde Santa Maria, denominação dada em homenagem à sua esposa dona Maria Arantes. 

“Eleito prefeito de Campo Grande no pleito eleitoral de 3 de outubro de 1950, assumiu o executivo municipal em 31 de janeiro de 1951, tendo dentro de seu programa de Honestidade, Responsabilidade e Trabalho, imprimido ao município, no curto período de sua administração, um desenvolvimento magnífico, el…

O dramático 13 de agosto na rua 13 em Campo Grande

Abala o povoado de Campo Grande, trágico acontecimento, coincidentemente marcado pelo número 13. 13 de agosto de 1913, na rua 13 de Maio (esquina com a Barão do Rio Branco). O episódio que apareceu com destaque no primeiro jornal impresso da cidade, O Estado de Mato Grosso, do advogado Arlindo de Andrade Gomes, é sintetizado por Rosário Congro, intendente geral do município:

A noite de 13 de agosto de 1913 ficou tristemente gravada nos anais da cidade, com a verificação de um gravíssimo conflito provocado pela própria polícia, quando se realizava uma função no circo João Gomes e do qual saíram mortos o importante e acatado negociante da praça José Alves de Mendonça e o vereador municipal Germano Pereira da Silva e duas praças do destacamento policial, além de muitos feridos, entre eles Gil de Vasconcelos, Fernando Pedroso do Vale, Adelino Pedroso, Benedito de Oliveira, João de Souza, Carlos Anconi e três praças.


No dia seguinte o povo, armado, sob uma indignação geral, ouvindo-se imprec…

Inaugurada a primeira estrada entre Campo Grande e São Paulo

É inaugurada em 8 de outubro de 1906 a estrada entre Campo Grande e Porto 15 de Novembro, atualmente trechos da BR-163 (Campo Grande - Nova Alvorada do Sul) e BR-262 (Nova Alvorada do Sul - Rio Paraná).


Foi uma verdadeira odisseia a construção dessa estrada boiadeira. Seu incorporador foi Manoel da Costa Lima, o Manoel Cecílio, que a abriu para tirar o Estado do isolamento e transportar o vapor Carmelita, lancha a motor, adquirida no Paraguai, com a qual iniciaria o serviço de travessia do rio Paraná. De Concepcion a Campo Grande, “navegara rio Paraguai acima, penetrando no rio Miranda e depois no rio Aquidauana, ancorando na fazenda Sto. Antonio na barra do Taquarussu. Com 200 bois de carro emprestados e 20 peões escolhidos a dedo, praticamente desmontaram a lancha e distribuídas suas partes nos referidos carros, encetaram grande epopeia de leva-la até às barrancas do rio Paraná, na divisa com São Paulo.

Sem dispor de qualquer das ferramentas e máquinas que hoje conhecemos, mas tão som…