Pular para o conteúdo principal

Presidente Getúlio Vargas em Campo Grande





Em seu programa de viagem ao Estado, depois de estada em Corumbá e agenda em Assunção com o governo paraguaio, o presidente Getúlio Vargas chega a Campo Grande em 4 de agosto de 1941. O Jornal do Brasil (RJ), com notícias da Agência Nacional, deu cobertura à visita do chefe da Nação à cidade morena, iniciando com o seu desembarque no aeroporto militar da cidade:

Em Campo Grande, sede da 9a. Região Militar, chefiada pelo general Pinto Guedes, encontram-se aquartelados o 18° batalhão de Caçadores, a 2a. Companhia Independente de Transmissões e o 2° esquadrão de um Grupo de Dorso. O Presidente Getúlio Vargas, à sua chegada, passou em revista aquelas unidades, recebendo as continências de estilo. O interventor Júlio Müller e o general Pinto Guedes receberam o chefe do governo, em companhia de outras autyoridades.

Do aeródromo rumou o presidente para a cidade, onde a população o aguardava para homenageá-lo. As ruas estavam embandeiradas, e, ao passar o carro presidencial, milhares de escolares formados lançaram flores sobre o mesmo, durante todo o percurso, de sorte que, ao chegar em frente ao Quartel General o presidente tinha o seu carro repleto de flores. Também formaram os trabalhadores, tendo-se assim a impressão do civismo e da comunhão nacional em que estão integradas aquelas populações. O povo, seguindo o carro em que viajava o presidente, formou um grande cortejo até o Quartel General, onde se iniciou o desfile. Surgiram primeiramente os trabalhadores, empunhando dísticos sobre a legislação social brasileira. A lei das 8 horas, a sindicalização, de férias, de aposentadorias e da justiça do trabalho e de todas as grandes realizações que alcançamos no terreno social, eram apontadas como marcos da obra nacionalista do governo do sr. Getúlio Vargas. Veio depois o desfile escolar. Cinco mil crianças de todos os colégios, passaram diante da tribuna presidencial, arrancando estripitosas palmas da assistência. De quando em vez os alunos entregavam ramalhetes de flores ao presidente, que saudava os estudantes, dirigindo-lhes algumas palavras de agradecimento e estímulo. Foi este o maior desfile escolar já realizado em Mato Grosso.

Finalmente desfilam as forças militares, sob o comando do coronel Caiado de Castro. Vem primeiro o batalhão de Caçadores,seguido da companhia de Transmissões, grupo de Dorso e do 2° Esquadrão. Durante a parada ouviam-se frequentes aclamações populares à figura do chefe do governo.

Deixando o palanque presidencial o sr. Getúlio Vargas recebe uma homenagem dos escolares, que cerraram fileiras em torno do primeiro magistrado.

O Hino Nacional, cantado pelos escolares e pela massa popular, encerra as manifestações de civismo tributadas ao presidente, oferecendo um espetáculo de grandiosa emoção patriótica. Momentos após o presidente retira-se para repousar
.


AGENDA - O presidente Vargas cumpriu vasta agenda em Campo Grande: inauguração do leprosário São Julião, inspeção às obras do ramal de Ponta Porã da Estrada de Ferro Noroeste do Brasil e visita às guarnições militares da cidade. 

A inauguração do São Julião ocorreu à tarde. O presidente "foi recebido pelo sr. Ernani Agrícola, que o conduziu a visitar todos os departamentos a visitar todos os departamentos do moderníssimo estabelecimento de cura. Ao mesmo tempo explicava o sr. Ernani Agrícola ao presidente da República todos os detalhes da construção e do aparelhamento. O Leprosário São Julião, construído com todos os rigores da moderna ciência médica,fora dotado, pelo governo,com 200 leitos, amplos jardins e parques de repouso, laboratórios, salas de clínicas, casas para doentes, etc.

A visita do presidente Getúlio Vargas foi demorada, permitindo não só fossem examinadas meticulosamente todas as suas dependências e instalações como fossem prestadas ao chefe do governo as informações mais completas. Ao chegar e ao sair, horas depois, o presidente da República foi cumprimentado por numerosas pessoas, que lhe agradeceram, ainda o haver proporcionado a Mato Grosso as possibilidades para realizar obra de tão grande vulto e destinada a prestar os mais assinalados serviços à população do Estado".

Na manhã seguinte, dando continuidade à sua programação em Campo Grande, o presidente da República visitou as obras do ramal da estrada de ferro para Ponta Porã:

Campo Grande 6, - O Presidente Getúlio Vargas excursionou na manhã de hoje pelo ramal da estrada de ferro que ligará Campo Grande a Ponta Porã, ramal que, como já acentuara aos jornalistas paraguaios, se destina, principalmente, a dar ao Paraguai uma nova via de comunicação ferroviária. Esse ramal de grande importância economica para esta região de Mato Grosso e para todo o território paraguaio terá uma extensão de 320 quilômetros, dos quais 60 já estão construídos e em tráfego. Mais noventa quilômetros estão já com os trilhos assentados  e cerca de 100 quilômetros com o terreno aplainado. Os demais quilômetros já estão sendo atacados com o serviço preliminar de desbravamento. A excursão do presidente Getúlio Vargas foi das mais interessantes possíveis. O chefe do governo fez-se acompanhar do interventor Júlio Müller e demais autoridades que aqui se incorporaram à sua comitiva. O trem presidencial percorreu inicialmente, cerca de 15 quilômetros que vai de Campo Grande a Porto Esperança. Na altura da estação Indubrasil tomou o ramal para Ponta Porã, que aí tem início. Foi demorada a viagem. Ainda nos arredores da estação a linha férrea como que circunda edifícios onde estão aquarteladas várias unidades do Exército. O coronel Gustavo Cordeiro de Farias e o coronel Caiado Castro explicaram então, ao chefe do governo, detalhes da construção desses edifícios e da vida das unidades que os ocupam. 

Mais adiante a linha férrea corta uma colônia japonesa onde se pratica a horticultura racional. Depois uma colônia portuguesa que se dedica à pequena indústria de madeira. O interventor Júlio Müller aproveita a todo momento a oportunidade para informar ao chefe do governo sobre detalhes da vida de Mato Grosso. À certa altura dá-lhe interessante informação. O trem presidencial passava no momento em terras de um novo município matogrossense onde se encontram magníficas fontes de águas termais. Já o dotara o governo de um patronato agrícola, campos de trigo, uma rodovia moderna de 40 quilômetros. À certa altura da viagem o trem para. Os engenheiros construtores cercam o presidente Getúlio Vargas, e durante muito tempo, prestam-lhe as mais detalhadas informações sobre a construção. Chega-se, enfim, ao termo da viagem. É a estação "Bolicho Seco". O presidente da República caminha durante muito tempo pelo leito ainda não definitivamente construído. Os engenheiros são agora a sua comitiva e seus informantes.

Getúlio Vargas encerrou sua estada a Campo Grande com uma visita às guarnições locais do Exército, seguindo para Cuiabá.

FONTE: Jornal do Brasil (RJ), 6 de agosto de 1941.


FOTO:
 acervo do Arca, Arquivo Municipal de Campo Grande.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O dramático 13 de agosto na rua 13 em Campo Grande

Abala o povoado de Campo Grande, trágico acontecimento, coincidentemente marcado pelo número 13. 13 de agosto de 1913, na rua 13 de Maio (esquina com a Barão do Rio Branco). O episódio que apareceu com destaque no primeiro jornal impresso da cidade, O Estado de Mato Grosso, do advogado Arlindo de Andrade Gomes, é sintetizado por Rosário Congro, intendente geral do município:

A noite de 13 de agosto de 1913 ficou tristemente gravada nos anais da cidade, com a verificação de um gravíssimo conflito provocado pela própria polícia, quando se realizava uma função no circo João Gomes e do qual saíram mortos o importante e acatado negociante da praça José Alves de Mendonça e o vereador municipal Germano Pereira da Silva e duas praças do destacamento policial, além de muitos feridos, entre eles Gil de Vasconcelos, Fernando Pedroso do Vale, Adelino Pedroso, Benedito de Oliveira, João de Souza, Carlos Anconi e três praças.


No dia seguinte o povo, armado, sob uma indignação geral, ouvindo-se imprec…

O assassinato do dr. Ari, prefeito de Campo Grande

Aos 41 anos é morto a bala, em 21 de novembro de 1952, o prefeito de Campo Grande, Ari Coelho de Oliveira (PTB). O assassino foi  Acir Pereira Limaque o acometeu em uma emboscada no prédio da CER-3 em Cuiabá, onde o prefeito fora tratar de assuntos de interesses do município. Nascido em Bauzinho, município de Paranaíba, fez seus estudos ginasiais no colégio Grambery, em Juiz de Fora, Minas Gerais. Formou-se em Medicina em 1933, em Belo Horizonte, pela Faculdade de Medicina da Universidade de Minas Gerais. Chegou a Campo Grande em 1934, onde iniciou sua carreira de médico, fundador e proprietário da Casa de Saúde Santa Maria, denominação dada em homenagem à sua esposa dona Maria Arantes. 

“Eleito prefeito de Campo Grande no pleito eleitoral de 3 de outubro de 1950, assumiu o executivo municipal em 31 de janeiro de 1951, tendo dentro de seu programa de Honestidade, Responsabilidade e Trabalho, imprimido ao município, no curto período de sua administração, um desenvolvimento magnífico, el…

Inaugurada a primeira estrada entre Campo Grande e São Paulo

É inaugurada em 8 de outubro de 1906 a estrada entre Campo Grande e Porto 15 de Novembro, atualmente trechos da BR-163 (Campo Grande - Nova Alvorada do Sul) e BR-262 (Nova Alvorada do Sul - Rio Paraná).

Foi uma verdadeira odisseia a construção dessa estrada boiadeira. Seu incorporador foi Manoel da Costa Lima, o Manoel Cecílio, que a abriu para tirar o Estado do isolamento e transportar o vapor Carmelita, lancha a motor, adquirida no Paraguai, com a qual iniciaria o serviço de travessia do rio Paraná. De Concepcion a Campo Grande, “navegara rio Paraguai acima, penetrando no rio Miranda e depois no rio Aquidauana, ancorando na fazenda Sto. Antonio na barra do Taquarussu. Com 200 bois de carro emprestados e 20 peões escolhidos a dedo, praticamente desmontaram a lancha e distribuídas suas partes nos referidos carros, encetaram grande epopeia de leva-la até às barrancas do rio Paraná, na divisa com São Paulo.

Sem dispor de qualquer das ferramentas e máquinas que hoje conhecemos, mas tão som…