Pular para o conteúdo principal

Presidente Getúlio Vargas em Campo Grande





Em seu programa de viagem ao Estado, depois de estada em Corumbá e agenda em Assunção com o governo paraguaio, o presidente Getúlio Vargas chega a Campo Grande em 4 de agosto de 1941. O Jornal do Brasil (RJ), com notícias da Agência Nacional, deu cobertura à visita do chefe da Nação à cidade morena, iniciando com o seu desembarque no aeroporto militar da cidade:

Em Campo Grande, sede da 9a. Região Militar, chefiada pelo general Pinto Guedes, encontram-se aquartelados o 18° batalhão de Caçadores, a 2a. Companhia Independente de Transmissões e o 2° esquadrão de um Grupo de Dorso. O Presidente Getúlio Vargas, à sua chegada, passou em revista aquelas unidades, recebendo as continências de estilo. O interventor Júlio Müller e o general Pinto Guedes receberam o chefe do governo, em companhia de outras autyoridades.

Do aeródromo rumou o presidente para a cidade, onde a população o aguardava para homenageá-lo. As ruas estavam embandeiradas, e, ao passar o carro presidencial, milhares de escolares formados lançaram flores sobre o mesmo, durante todo o percurso, de sorte que, ao chegar em frente ao Quartel General o presidente tinha o seu carro repleto de flores. Também formaram os trabalhadores, tendo-se assim a impressão do civismo e da comunhão nacional em que estão integradas aquelas populações. O povo, seguindo o carro em que viajava o presidente, formou um grande cortejo até o Quartel General, onde se iniciou o desfile. Surgiram primeiramente os trabalhadores, empunhando dísticos sobre a legislação social brasileira. A lei das 8 horas, a sindicalização, de férias, de aposentadorias e da justiça do trabalho e de todas as grandes realizações que alcançamos no terreno social, eram apontadas como marcos da obra nacionalista do governo do sr. Getúlio Vargas. Veio depois o desfile escolar. Cinco mil crianças de todos os colégios, passaram diante da tribuna presidencial, arrancando estripitosas palmas da assistência. De quando em vez os alunos entregavam ramalhetes de flores ao presidente, que saudava os estudantes, dirigindo-lhes algumas palavras de agradecimento e estímulo. Foi este o maior desfile escolar já realizado em Mato Grosso.

Finalmente desfilam as forças militares, sob o comando do coronel Caiado de Castro. Vem primeiro o batalhão de Caçadores,seguido da companhia de Transmissões, grupo de Dorso e do 2° Esquadrão. Durante a parada ouviam-se frequentes aclamações populares à figura do chefe do governo.

Deixando o palanque presidencial o sr. Getúlio Vargas recebe uma homenagem dos escolares, que cerraram fileiras em torno do primeiro magistrado.

O Hino Nacional, cantado pelos escolares e pela massa popular, encerra as manifestações de civismo tributadas ao presidente, oferecendo um espetáculo de grandiosa emoção patriótica. Momentos após o presidente retira-se para repousar
.


AGENDA - O presidente Vargas cumpriu vasta agenda em Campo Grande: inauguração do leprosário São Julião, inspeção às obras do ramal de Ponta Porã da Estrada de Ferro Noroeste do Brasil e visita às guarnições militares da cidade. 

A inauguração do São Julião ocorreu à tarde. O presidente "foi recebido pelo sr. Ernani Agrícola, que o conduziu a visitar todos os departamentos a visitar todos os departamentos do moderníssimo estabelecimento de cura. Ao mesmo tempo explicava o sr. Ernani Agrícola ao presidente da República todos os detalhes da construção e do aparelhamento. O Leprosário São Julião, construído com todos os rigores da moderna ciência médica,fora dotado, pelo governo,com 200 leitos, amplos jardins e parques de repouso, laboratórios, salas de clínicas, casas para doentes, etc.

A visita do presidente Getúlio Vargas foi demorada, permitindo não só fossem examinadas meticulosamente todas as suas dependências e instalações como fossem prestadas ao chefe do governo as informações mais completas. Ao chegar e ao sair, horas depois, o presidente da República foi cumprimentado por numerosas pessoas, que lhe agradeceram, ainda o haver proporcionado a Mato Grosso as possibilidades para realizar obra de tão grande vulto e destinada a prestar os mais assinalados serviços à população do Estado".

Na manhã seguinte, dando continuidade à sua programação em Campo Grande, o presidente da República visitou as obras do ramal da estrada de ferro para Ponta Porã:

Campo Grande 6, - O Presidente Getúlio Vargas excursionou na manhã de hoje pelo ramal da estrada de ferro que ligará Campo Grande a Ponta Porã, ramal que, como já acentuara aos jornalistas paraguaios, se destina, principalmente, a dar ao Paraguai uma nova via de comunicação ferroviária. Esse ramal de grande importância economica para esta região de Mato Grosso e para todo o território paraguaio terá uma extensão de 320 quilômetros, dos quais 60 já estão construídos e em tráfego. Mais noventa quilômetros estão já com os trilhos assentados  e cerca de 100 quilômetros com o terreno aplainado. Os demais quilômetros já estão sendo atacados com o serviço preliminar de desbravamento. A excursão do presidente Getúlio Vargas foi das mais interessantes possíveis. O chefe do governo fez-se acompanhar do interventor Júlio Müller e demais autoridades que aqui se incorporaram à sua comitiva. O trem presidencial percorreu inicialmente, cerca de 15 quilômetros que vai de Campo Grande a Porto Esperança. Na altura da estação Indubrasil tomou o ramal para Ponta Porã, que aí tem início. Foi demorada a viagem. Ainda nos arredores da estação a linha férrea como que circunda edifícios onde estão aquarteladas várias unidades do Exército. O coronel Gustavo Cordeiro de Farias e o coronel Caiado Castro explicaram então, ao chefe do governo, detalhes da construção desses edifícios e da vida das unidades que os ocupam. 

Mais adiante a linha férrea corta uma colônia japonesa onde se pratica a horticultura racional. Depois uma colônia portuguesa que se dedica à pequena indústria de madeira. O interventor Júlio Müller aproveita a todo momento a oportunidade para informar ao chefe do governo sobre detalhes da vida de Mato Grosso. À certa altura dá-lhe interessante informação. O trem presidencial passava no momento em terras de um novo município matogrossense onde se encontram magníficas fontes de águas termais. Já o dotara o governo de um patronato agrícola, campos de trigo, uma rodovia moderna de 40 quilômetros. À certa altura da viagem o trem para. Os engenheiros construtores cercam o presidente Getúlio Vargas, e durante muito tempo, prestam-lhe as mais detalhadas informações sobre a construção. Chega-se, enfim, ao termo da viagem. É a estação "Bolicho Seco". O presidente da República caminha durante muito tempo pelo leito ainda não definitivamente construído. Os engenheiros são agora a sua comitiva e seus informantes.

Getúlio Vargas encerrou sua estada a Campo Grande com uma visita às guarnições locais do Exército, seguindo para Cuiabá.

FONTE: Jornal do Brasil (RJ), 6 de agosto de 1941.


FOTO:
 acervo do Arca, Arquivo Municipal de Campo Grande.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ex-prefeito de Campo Grande morre em São Paulo

Aos 90 anos, falece em São Paulo, em 20 de agosto de 1975, Arlindo de Andrade Gomes, o primeiro juiz de Direito de Campo Grande. Pernambucano, mudou para essa cidade em 1911, para instalar a comarca local. Renunciou 50 dias depois de assumir e dedicou-se à advocacia, ao jornalismo e à política. Fundou em 1913, o primeiro jornal impresso de Campo Grande, “O Estado de Mato Grosso” e chegou prefeitura municipal, exercendo o mandato entre 1921 e 1923. Na revolução do 32 foi membro do governo de Vespasiano Martins, instalado em Campo Grande, como secretário-geral.

Como prefeito de Campo Grande dedicou-se à arborização da cidade, com a plantação de ficus nas avenidas Mato Grosso e Afonso Pena e dos históricos pés de jequitibás na atual praça dr. Ari Coelho. Foi autor do código de posturas do município, conhecido como código do doutor Arlindo e, no seu mandato foi inaugurada a hidrelétrica do Ceroula que, por muitos anos, atendeu a cidade. 



FONTE: Paulo Coelho Machado, Arlindo de Andrade o pri…

Aterrado o rego d'água que abastecia Campo Grande

Por ordem do prefeito Antonio Norberto de Almeida (Totinho) é interrompido em 12 de janeiro de 1912, o serviço rudimentar de distribuição de água da vila de Campo Grande, através de um rego d'água. O sistema, muito utilizado na zona rural, e implantado na cidade no início de sua povoação, captava água de uma pequena queda cachoeira no riacho Prosa, atualmente localizada acima da rua Ceará entre as avenidas Afonso Pena e Ricardo Brandão. Por gravidade a água era levada, seguindo o traçado na atual rua 15 de novembro, paralelo ao Prosa, até desaguar no Segredo, atendendo chácaras e o perímetro urbano, no seu trajeto.
O serviço, único de extensão coletiva, chegou a ser regulamentado na reforma do código de posturas, em 1906, através de dois artigos:
Art. 31 - Todos que quiserem servir da água canalizada pelo rego existente serão obrigados a fazer pequenos regos até suas casas, tendo o cuidado de fazer bicas e tapar por cima quando atravessarem ruas e praças.
Art. 32 - Ninguém poderá pro…

Morre frei Gregório de Protásio Alves

Nascido David Bonato em 1915, na cidade gaúcha cujo nome adotaria no sacerdócio, morre em Campo Grande, em 28 de outubro de 2008, vítima de complicações cardíacas, frei Gregório. Aos 12 anos ingressa no seminário de Veranópolis. Em 1934, aos 19 anos, professa os votos da Ordem Franciscana, escolhendo o seu novo nome. Em 28 de março de 1937 recebe a ordenação sacerdotal no Convento de Marau, em Garibaldi (RS). 
Em 1956, após passar por diversas paróquias no Rio Grande do Sul e interior de São Paulo, muda-se para o Sul de Mato Grosso. No ano seguinte, assume a paróquia de Nossa Senhora Aparecida em Maracaju, onde permaneceu por três anos, quando foi designado para a função de Superior da Ordem dos Capuchinhos em Campo Grande. 
A 13 de maio de 1962, finca o cruzeiro e lança a pedra fundamental da igreja de Fátima, no Monte Líbano, que viria a ser sua obra mais relevante. O templo da igreja matriz de Nossa Senhora de Fátima foi solenemente inaugurado a 13 de maio de 1974.
Músico, poeta e…