Pular para o conteúdo principal

A chacina do dia 13 de 1913, na rua 13



Rua 13 de Maio em 1913. Campo Grande uma vila rica e violenta

Abala o povoado de Campo Grande, trágico acontecimento, coincidentemente marcado pelo número 13: 13 de agosto de 1913, na rua 13 de Maio (esquina com a Barão do Rio Branco). O 
episódio que apareceu com destaque no primeiro jornal impresso da cidade, O Estado de Mato Grosso, do advogado Arlindo de Andrade Gomes, é sintetizado por Rosário Congro, intendente geral do município:

A noite de 13 de agosto de 1913 ficou tristemente gravada nos anais da cidade, com a verificação de um gravíssimo conflito provocado pela própria polícia, quando se realizava uma função no circo João Gomes e do qual saíram mortos o importante e acatado negociante da praça José Alves de Mendonça e o vereador municipal Germano Pereira da Silva e duas praças do destacamento policial, além de muitos feridos, entre eles Gil de Vasconcelos, Fernando Pedroso do Vale, Adelino Pedroso, Benedito de Oliveira, João de Souza, Carlos Anconi e três praças.


No dia seguinte o povo, armado, sob uma indignação geral, ouvindo-se imprecações em toda parte, preparava-se para atacar o quartel da Polícia, evitando talvez outro morticínio a presença de uma companhia do exército, então já existente em Campo Grande, sob o comando do tenente Gaudie Ley.
Os policiais, às ordens do tenente Spindola, dois dias depois, abandonaram a vila.¹


Recorrendo ao jornal local "O Estado de Mato Grosso", edição de 17 de agosto de 1913, o jornalista J. Barbosa Rodrigues, em seu livro "Historia de Campo Grande", dá detalhes da ocorrência:

O "Circo João Gomes" fora montado no largo da igreja de Santo Antônio, onde eram realizados festejos religiosos. A cidade estava superlotada, pois inúmeras famílias vieram da zona rural para os festejos.

No segundo espetáculo, no dia 13, quarta-feira, a polícia que se fizera presente desde a estreia, resolveu "proibir" que o povo gritasse na plateia e vaiasse os artistas", diz o jornal.

Os rapazes não se conformaram com a atitude dos policiais e continuaram ora aplaudindo, ora vaiando.

Num dos intervalos, todos os presentes à função saem para o largo, comentando a atitude policial. É quando chega um reforço vindo do quartel. Os ânimos se exaltam, arma-se o conflito com a polícia atirando e populares respondendo à fuzilaria.

A primeira pessoa a ser alvejada foi o cel. José Alves de Mendonça, festeiro na ocasião, sócio proprietário da "Casa Caldeira", que de braços abertos conclamava as partes que se acalmassem. Outra bala atinge o vereador Germano Pereira da Silva que cai sem vida.

Terminado o tiroteio, a polícia debanda e entrincheira-se no quartel, pronta para o que desse e viesse.

Feito o balanço da refrega, além dos dois mortos há outras pessoas gravemente feridas: Gil de Vasconcelos, Adelino Pedroso, Benedito de Oliveira, João de Souza, Carlos Anconi e uma criança. Dos policiais, dois estavam mortos e três feridos.²

A imprensa cuiabana tem versões diferentes para o fato, de acordo com o compromisso político de cada jornal. Para "O Matto-Grosso", órgão da oposição a "responsabilidade em grande parte desse triste acontecimento cabe à s. ex.ª o sr. presidente do Estado", atribuindo-lhe "a falta de escrúpulos na escolha das autoridades locais:

"Mas todo mundo sabe que, na maior parte dos nossos municípios longínquos e isolados, a ordem e a segurança pública dependem em grande parte do juiz de direito da respectiva comarca. Entretanto, a de Campo Grande, a que talvez mais reclame o provimento com um juiz togado, há três meses se acha privada dessa autoridade, não obstante existirem, há mais de mês, três petições de transferência para aquela comarca de juízes do Sul".

O jornal oposicionista, finalizando seu editorial, acusa e lamenta:

"É que s. ex.ª por conveniência de sua oligarquia vai manobrando a política ao seu sabor. enquanto s. ex.ª assim protela e sacrifica o cumprimento de seus deveres, o povo que sofra as consequências dos planos políticos a que o subordina a sua administração".³

Já "O Debate", jornal governista, em sua edição de 19 de agosto de 1913, limita-se a uma versão que contraria a oposição e à voz corrente, sem emitir opinião:

Telegramas da vila de Campo Grande, dirigidos aos exms. drs. Presidente do Estado e Secretário do Interior, Justiça e Fazenda, narram sucessos desagradáveis desenrolados ali, na semana finda.

Achando-se naquela vila, dando espetáculos uma companhia de circo de cavalinhos, em a noite de 13 do corrente, foi a força policial que fazia o patrulhamento, atacada por um grupo de boiadeiros e alguns populares, travando-se um conflito do qual resultou a morte de três policiais e dos senhores José Mendonça e Germano Alves, este vereador municipal e aquele sócio da casa Caldeira e Mendonça e vários ferimentos.

Estamos informados de que o alferes de polícia Antonio Espíndola, comandante daquele destacamento, vendo-se ameaçado na sua vida, por numeroso número de populares, refugiou-se com o restante das praças, sob seu comando, no quartel do 14 de artilharia, ali estacionado.

O exm. dr Presidente do Estado, de acordo com o sr. Inspetor da 13a. Região Militar tem tomado todas as providências tendentes a evitar novos conflitos e a reprodução de tão deploráveis acontecimentos, atentatórios da ordem e tranquilidade pública.

Constando que populares exaltados pretendiam atacar o quartel do 14 para retirar o alferes e as praças refugiados, o sr. inspetor da região fez seguir para ali um reforço de praças tendo de Bela Vista seguido também um contingente policial do Regimento Mixto do Sul, sob o comando de um oficial que substituirá o alferes Espíndola.

Além destas providências imediatas o exm. sr. dr. Presidente do Estado, solícito como é no cumprimento de seus deveres, determinou que seguisse com urgência para a vila de Campo Grande, pelo Nioac, que zarpa hoje deste porto, o dr. Chefe de Polícia com o seu secretário, afim de sindicar aquelas lamentáveis ocorrências e apurar a responsabilidade de seus promotores.

O inquérito instaurado e o sumário de culpa, procedidos pelo juiz Silva Coelho, segundo ainda J. Barbosa Rodrigues, "concluíram pela culpabilidade do tenente Espíndola, comandante do destacamento e do sub-delegado Antonio Marcondes, que foram pronunciados como mandantes da chacina. Preso, Espíndola foi levado para Cuiabá pelo próprio chefe de polícia, enquanto que Antonio Marcondes foi recolhido à cadeia da vila".

FONTE: ¹Rosário Congro, O Município de Campo Grande, publicação oficial, Campo Grande, 1919, página 31. ²J.Barbosa Rodrigues, História de Campo Grande, edição do autor, Campo Grande, 1980, página 115. ³Jornal O Matto-Grosso (Cuiabá) 24 de agosto de 1913.

FOTO: Album Graphico de Mato Grosso, Corumbá, 1914

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O nascimento de Janio Quadros

Filho do farmacêutico Gabriel Quadros (gerente da Farmácia Royal, de propriedade do médico Vespasiano Barbosa Martins), nasce em Campo Grande, em 25 de janeiro de 1917, Jânio Quadros. Ainda na infância mudou-se da cidade. Formou-se em Direito pela Universidade de São Paulo, em 1939. Iniciou a carreira política em 1948, como vereador na capital paulista, pelo Partido Democrata Cristão. Em 1951 elege-se deputado estadual. Em março de 1953 vence a eleição para a prefeitura de São Paulo. Em 3 de outubro de 1954 é eleito governador paulista, na sucessão de Lucas Nogueira Garcez. Em 1959 elege-se deputado federal pelo Estado do Paraná. Em 3 de outubro de 1960 vence o general Teixeira Lott e sucede Juscelino Kubitschek na presidência da República, onde permanece apenas sete meses, renunciando, tendo como justificativa pressão de forças ocultas. Com direitos políticos suspensos pela ditadura militar, retornaria à vida pública em 1985, como prefeito de São Paulo, derrotando Fernando Henrique C…

O primeiro trem do Pantanal

O povoado de Campo Grande liga-se por ferrovia a Aquidauana, Miranda e Porto Esperança, em 28 de maio de 1914. O jornal O Estado de Mato Grosso, do ex-juiz Arlindo de Andrade Gomes, dá a alvissareira notícia:

O povo parecia haver cansado de esperá-lo todo mês, toda semana, todo dia.
Mas, afinal, chegou. Uma locomotiva já desceu a encosta e acordou os habitantes a silvar.


Outras tem vindo, alegremente, na faina cyclopica da grande obra nacional. Todo mundo alegrou-se neste bendito rincão brasileiro.


Aos operários cobertos de poeira, misturam-se os habitantes da cidade. São gregos, italianos, japoneses, portugueses e brasileiros de toda casta.


No local da futura estação, grupos de famílias, rapazes, velhos e crianças, irmanam-se como os homens que fazem o caminho do progresso.


Para Paulo Coelho Machado, aquele 28 de maio é “só comparável a outro dia de maio, sessenta e três anos depois, quando chegou pelo telefone a notícia de que fora decidida a criação do Estado de Mato Grosso do Sul, com a…