Pular para o conteúdo principal

Morre Bernardo Franco Baís



Vítima de atropelamento de trem, faleceu em Campo Grande, em 20 de agosto de 1938,  Bernardo Franco Baís, italiano, em Campo Grande desde o final do século. Grande empreendedor na cidade e na zona rural, foi em 1902, o primeiro prefeito eleito de Campo Grande, cargo ao qual terminou renunciando antes da posse. Assumiu em seu lugar, o 1º vice-intendente geral Francisco Mestre.
Sobre sua morte, Nelly Martins, sua neta, escreveu:


Já um tanto surdo, com 77 anos, absorto no seu mundo interior, na manhã de dezenove de agosto de 1938, ele deixava sua casa e subia em direção à casa dos filhos. Na altura da rua 15 de Novembro, atravessava os trilhos da Noroeste, quando foi colhido pela locomotiva que seguia para São Paulo.


Depôs o maquinista que, vendo-o, procurou frear a máquina que apitava com insistência. 

Ele na sua surdez, distração e insegurança, se chegou a ver e sentir o perigo que o ameaçava, não conseguiu mais sair dele. Foi colhido pelo trem e teve o crânio fraturado.


Permaneceu em coma umas trinta horas. Fiquei traumatizada com seu lastimável estado e temia vê-lo acordar e sentir toda a tragédia que vivia.
Contou-me minha avó, após a morte dele que, no hospital, ela ficou uns momentos a sós com ele, inconsciente. Falou-lhe ela sobre suas vidas, feitas de momentos alegres e difíceis, de renúncias e incompreensões e da vontade que alimentava de que pudessem continuar a viver a dois, sem dissabores, num querer bem recíproco. Quase como uma prece disse-lhe, ainda, que se alguma mágoa houvesse de sua parte que a perdoasse. Ela sentia por ele carinho e o desejo de que pudessem continuar juntos. Pareceu-lhe, disse-me então, que ele só aguardava essa conversa íntiima, amiga, de afeição, para deixar nosso mundo. Em seguida faleceu.


Estou segura de que assim foi. Ele tinha que partir, mas não sem ouvir sua companheira e sentir por ela aquele mesmo encanto do primeiro dia em que a viu. 


Assim morreu meu avô, abatido pela Maria Fumaça, que tanto amei, em 20 de agosto de 1938.




FONTE: Nelly Martins, Duas Vidas, 2a. edição, Funcesp, Campo Grande, 2003, página 55. (foto: A Grande Avenida, de Paulo Coelho Machado)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Inaugurada hidrelétrica de Campo Grande

Campo Grande recebe em 13 de abril de 1923, sua primeira hidrelétrica. Trata-se de pequena usina montada no córrego Ceroula a dez quilômetros da sede do município. O ato solene de início de suas atividades contou com a presença de Álvaro de Carvalho e Altino Arantes, por algum tempo responsável pela iluminação da vila.¹

Poucos dias antes da inauguração, a convite da direção da empresa concessionária, a reportagem do Jornal do Comércio esteve no canteiro de obras e deu detalhes sobre o relevante investimento:

Para darmos aos nossos leitores uma boa ideia geral do adiantamento dos importantes serviços que para este fim estão sendo executados pela Companhia Matogrossense de Eletricidade Limitada, aproveitamos a gentileza do convite do ilustrado e competente advogado da companhia, sr. dr.Alindo Lima, para uma visita às grandes obras que estão sendo ultimadas no ribeirão Ceroula.

Assim, às nove horas de quinta-feira última, chegávamos no automóvel da empresa, ao posto em que foram feitos os s…

Prefeitura soterra rego-d'água que abastecia a vila

O nascimento de Jânio Quadros

Filho do farmacêutico Gabriel Quadros (gerente da Farmácia Royal, de propriedade do médico Vespasiano Barbosa Martins), nasce em Campo Grande, em 25 de janeiro de 1917, Jânio Quadros. Ainda na infância mudou-se da cidade. Formou-se em Direito pela Universidade de São Paulo, em 1939. Iniciou a carreira política em 1948, como vereador na capital paulista, pelo Partido Democrata Cristão. Em 1951 elege-se deputado estadual. Em março de 1953 vence a eleição para a prefeitura de São Paulo. Em 3 de outubro de 1954 é eleito governador paulista, na sucessão de Lucas Nogueira Garcez. Em 1959 elege-se deputado federal pelo Estado do Paraná. Em 3 de outubro de 1960 vence o general Teixeira Lott e sucede Juscelino Kubitschek na presidência da República, onde permanece apenas sete meses, renunciando, tendo como justificativa pressão de forças ocultas. Com direitos políticos suspensos pela ditadura militar, retornaria à vida pública em 1985, como prefeito de São Paulo, derrotando Fernando Henrique C…